Redes sociais: privacidade x segurança

Redes sociais: privacidade x segurança

Você sabe o que seus filhos fazem nas redes sociais? Cuidar da segurança deles não é invasão de privacidade. 

Pedófilos utilizam cada vez mais as redes sociais como caminho para chegar até suas vítimas,  portanto é de extrema importância ficar atenta ao que as crianças e principalmente os adolescentes acessam na internet. Monitorar o que eles fazem, bloquear sites impróprios para idade e orientá-los sobre o risco não é invasão de privacidade. Pelo contrário, é essencial que os pais estabeleçam regras para o uso da internet para cuidar da segurança dos filhos.

Principalmente os adolescentes não “permitem” que os pais fiquem de olho no que estão fazendo quando estão navegando na rede, é preciso respeitar o espaço deles, porém não há como fechar os olhos para o perigo. Muitos têm o costume de adicionar desconhecidos à sua lista de “amigos” em perfis pessoais e é aí que mora o perigo. Além de compartilharem informações sobre a rotina diária e fotos, também trocam mensagens e alguns vão além da “amizade virtual”, aceitando encontros fora da tela do computador.

Talvez não houvesse nada de perigoso nisso, já que eles estão sujeitos a conhecer pessoas em todos os lugares que frequentam, porém nem sempre a pessoa com que se mantém o contato é realmente quem ela diz ser. O filme Trust lançado em 2010 (título em português: Confiar) retrata bem este tipo de situação e mostra como os jovens podem ser facilmente envolvidos.

Dias atrás foi divulgado o vídeo  The Dangers Of Social Media (Child Predator Social Experiment) produzido por Coby Persin, onde ele criou um perfil falso no facebook de um garoto de 15 anos. Três garotas, com idade entre 12 e 14 anos, marcaram encontros com ele (sem saber que o perfil era falso) através de mensagens. Sem conhecer a pessoa com quem estavam falando, foram encontrá-lo sozinhas. Os pais das garotas permitiram o teste e acompanharam Persin até o local do encontro e ficaram chocados ao ver que suas filhas realmente apareceram.

O fato é que isso é mais comum do que se imagina. Muitas pessoas se esquecem que nem todo mundo que usa as redes sociais têm boa intenção e as crianças estão sujeitas a esse tipo de risco, mais do que os adultos. Pedófilos se aproveitam do benefício do anonimato e o fato de adicionar à lista pessoas desconhecidas têm aumentado o número de registros de pedofilia na internet.

Dependendo da idade do adolescente, proibir que ele tenha um perfil na rede social nem sempre é o melhor caminho. Se ele fizer escondido pode ser pior, pois você fica sem ter acesso à pagina e sem saber o que é postado por ela ou por outros. Ficar bisbilhotando o tempo todo também só o deixará irritado e fará que ele se feche ainda mais. O ideal é conversar sempre e deixar claro que o que você quer saber é só para mantê-lo em segurança, por isso é bom que você ao menos saiba quem são as pessoas adicionadas na lista de amigos dele.

Para os menores que já dominam as telas de tablets e celulares, preste atenção à faixa etária dos jogos e nos conteúdos dos vídeos. Dê preferência à canais infantis ou ao aplicativo youtube kids. Infelizmente não dá para proteger os filhos de tudo, mas nunca é demais zelar pela segurança deles dentro daquilo que está ao seu alcance.

 

Share This

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *